(48) 3901-2000
vendas@unilimoveis.com.br CRECI 1162J

Como é morar em Florianópolis?

28 fev 2020

Como é morar em Florianópolis?

Cachoeiras, lagoas, fontes cristalinas, praias e ilhas em meio à cidade, areia clarinha com noites enluaradas e áreas de preservação histórica como em nenhum outro lugar. A “Ilha da Magia” tem características únicas que merecem ser apreciadas, mas como é morar em Florianópolis?

Poucos sabem que Floripa tem uma história única, envolvendo piratas, trajetos marítimos da corte portuguesa, caça de baleias e sambaquis que datam mais de 4.500 anos. 

Passar uma temporada como turista e morar é bem diferente. Quando você vive mais tempo no lugar, acaba conhecendo melhor a região e pode até absorver a cultura, como hábitos, alimentação e o jeito de falar.

Se você quer saber como é morar em Florianópolis antes de atravessar de mala e cuia até a Ilha, esse é o post perfeito pra você. Nele, vamos falar desde a sua fundação, quando a cidade ainda era um pequeno povoado chamado Desterro, até seu crescimento e atual consolidação.

Breve história de Florianópolis

1.1 Sambaquis 

Os primeiros moradores de Florianópolis chegaram há aproximadamente 4.500 anos atrás e formaram o povo Carijó (tupi-guarani) e os sambaquis, que significa “monte de conchas”. Esse nome faz menção aos diversos sítios arqueológicos formados por cascas de moluscos, ostras e berbigões. Os sambaquis ainda podem ser encontrados em diversas regiões da Ilha e o mais antigo deles está no bairro Pântano do Sul. 

Com a chegada dos portugueses no litoral catarinense, infelizmente, os Carijós foram vendidos escravos. Muitos foram mortos devido à fraca resistência às doenças trazidas pelos europeus, como gripe, sarampo e tuberculose. Os que permaneceram na Ilha, apesar dos esforços dos jesuítas para salvá-los, os europeus fizeram escravos nos engenhos que começavam a ser instalados.

1.2 Primeiras vilas

No início do século XVI, a região servia apenas para que as embarcações que se dirigiam à Bacia da Prata suprissem suas naus. Assim, o povoamento oficial da ilha começou em 1673 com a chegada do bandeirante Francisco Dias Velho que investiu na agricultura e construiu uma capela consagrada à Nossa Senhora do Desterro, batizando o povoado com o mesmo nome. 

A elevação à categoria de vila acontece em 1726 e, nessa época, alguns paulistas tiveram autorização para ocupar o vilarejo. Por ter uma invejável posição estratégica dos domínios portugueses, a Ilha passa por algumas invasões piratas e em 1737 os militares chegaram e começaram a construir fortalezas para defender o território. 

Entre 1747 e 1756 a ocupação da Ilha realmente tomou impulso. Os constantes abalos sísmicos e a superpopulação nas ilhas do arquipélago dos Açores, em Portugal, serviram de estímulo para que cerca de cinco mil imigrantes açorianos fossem levados a colonizar a Ilha e boa parte do litoral catarinense. 

A agricultura de subsistência foi a primeira atividade desenvolvida pelos colonizadores, com ênfase no cultivo da mandioca, que mais tarde iria atender em pequena escala ao mercado externo.

Na época, a classe mais poderosa era a dos militares e, para atendê-los, foi necessário importar roupas, alimentos e objetos de consumo, o que fez surgir um pequeno centro comercial.

1.3 Prosperidade

Um ponto marcante na história de Florianópolis foi a pesca baleeira. Com a chegada dos açorianos, que já dominavam esse tipo de prática, a Coroa Portuguesa autorizou a caça. Entretanto, a prática não enriqueceu a região, pois a maior parte do produto era levado a Portugal. Até hoje, algumas praias guardam essa memória, como a região da Armação e Matadeiro, lugar onde as baleias transitavam, eram caçadas e abatidas.

No período monárquico, em 1823, Desterro tornou-se Capital da Província de Santa Catarina e abriu um período de prosperidade. Melhorias urbanas foram feitas e também uma intensa organização política. No começo da República brasileira, elites regionais inconformadas com a centralização do governo, deflagram a Revolta Federalista.

1.4 De Desterro para Florianópolis

O movimento que começou no Rio Grande do Sul e espalhou-se por toda Santa Catarina, tornou Desterro a capital federalista da República. O então presidente do Brasil, Marechal Floriano Peixoto, conhecido como Marechal de Ferro, contém a rebelião e manda fuzilar muitas pessoas consideradas inimigas.

Em 1894 ocorre a troca do nome da capital do Estado, que passou de Desterro para Florianópolis, ou cidade de Floriano, para mostrar lealdade ao marechal. Atualmente, o nome Florianópolis desvinculou-se completamente de sua origem, sintetizando em sua essência a beleza, harmonia e a paz.

Características únicas de Florianópolis

O moderno une-se ao histórico e ambos aliados à natureza preservada compõem um cenário ímpar. Já ao atravessar o continente e avistar a Ilha, é possível observar uma área extensa de natureza preservada. A Ilha tem cerca de 42% de seu território enquadrado como Área de Preservação Permanente, índice extremamente elevado, talvez único no país. 

Hospitaleira desde seus primórdios, Florianópolis está entre as melhores cidades para se viver e foi uma das cidades mais procuradas para o turismo de estrangeiros no ano de 2019. 

O jornal The New York Times escolheu Floripa como o “Party destination of the year”, o melhor local do planeta para quem quer celebrar a vida. As belas praias, gente bonita de várias partes do mundo, cultura da good vibes, gastronomia que contempla vários estilos e uma estrutura excelente para moradia tornam a cidade ainda mais atraente. 

Considerada a capital brasileira onde as pessoas são mais ativas e reconhecida por seus belos visuais, que envolvem montanhas, praias e lagoas, Florianópolis oferece várias opções para quem gosta de se exercitar ou de apenas praticar atividades ao ar livre, em equilíbrio com a natureza.

Não importa o clima, é só circular um pouquinho pelos bairros ou praias da Ilha para encontrar pessoas caminhando, correndo, pedalando ou praticando algum tipo de atividade física, a qualquer hora do dia. 

No céu, na terra ou no mar, a cidade possibilita uma ampla gama de atividades de lazer para todos os níveis e gostos. E mesmo que você não goste muito de se movimentar, a cultura da vida saudável é tão forte que você vai acabar adquirindo bons hábitos só pelo fato de morar lá!

Certamente, essa é a característica mais brilhante da cidade, que você não irá encontrar em nenhum outro lugar do Brasil.

Crescimento urbano

Os manezinhos da Ilha, como gostam de ser chamados os nativos, podem se orgulhar de viver em uma das cidades mais desenvolvidas do país, com qualidade de vida comparável a países de primeiro mundo. Educação, trabalho, segurança, saúde e bem-estar são alguns dos fatores que tornam a capital um dos destinos mais desejados para conhecer e permanecer.

Com isso, morar em Floripa, tem sido uma das metas de pessoas que buscam qualidade de vida e, de quebra, bons empregos. Florianópolis é a capital brasileira com maior pontuação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), calculado pelo PNUD das Nações Unidas e que leva em conta longevidade, educação e renda. 

Tradição e inovação andam juntas neste pedacinho de terra perdido no mar. Aqui está um polo tecnológico e econômico que mantém suas raízes culturais enquanto se conecta com o mundo. Floripa é a cidade que mais aposta em tecnologia e startups. 

Devido a excelente fama, a Capital Catarinense atingiu cerca de 500 mil habitantes em 2019, isso representa um crescimento populacional de 1,6%, se comparado ao ano passado.

De acordo com Roberto Kern Gomes, da Unidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em Santa Catarina, o crescimento ocorre não só em função da migração interna de habitantes vindos do interior, mas por pessoas de outros estados. “Eles acabam vendo em Florianópolis uma capital com menor índice de criminalidade e maior IDH que outras grandes capitais”, explica.

Como é viver em Florianópolis? 

Para saber como é morar em Florianópolis, nada melhor do que ouvir algumas pessoas que moram (ou já moraram) na Ilha.

“Nasci em 1967 em Florianópolis. Desde jovem, fazia esportes e caminhava tranquilamente pelas ruas da cidade sem preocupações. Mais tarde, comecei a dar aulas de natação, que é o meu trabalho hoje, onde tenho uma academia com várias modalidades. Sou suspeito para falar da experiência de morar em Floripa, porque amo essa cidade e tenho uma qualidade de vida ímpar. Mesmo com o crescimento urbano eu consigo passar para os meus 3 filhos esse mesmo bem-estar. Sou manezinho com muito orgulho.”

Marcelo Amin, professor de natação e dono de academia

“Sou natural da Ilha, nascida e criada. A Ilha é um lugar muito especial. Quando viajo a trabalho e volto pra casa é que percebo que vivo num paraíso. Não tem nada igual a Floripa: a natureza completa, rica. Também tem pessoas com boas iniciativas em questão de alimentação, reciclagem de lixo e sistema de troca de serviços. Também percebo que a cidade tem caminhado positivamente na questão humanitária. Vejo que ocorre o erro de vender a imagem de cartão postal, onde não há pobreza e só tem coisas boas, mas não é bem assim, pois Floripa tem todo um contexto social complexo e possui classes sociais bem diferenciadas. Muita gente veio de outras cidades, então o nativo é raridade. Mas, também, tem lugar melhor? Olha que já estive em terras caribenhas e enquanto admirava o lugar, me veio: “Floripa dais um banho!”, pensei”.

Simone Fortes, professora de dança e bailarina 

“Moro na Ilha há 4 anos e atualmente vivo no Campeche. Floripa me proporcionou muitas oportunidades de desenvolvimento profissional. Como eu atuo como terapeuta holístico (astrologia, tarô, quiromancia) eu tenho muita procura, já que as pessoas que passam pela Ilha buscam por autoconhecimento e esoterismo. Assim, a Ilha me ajudou a ir atrás do meu próprio crescimento e evolução. Acho importante morar perto do mar, me faz bem, eu entro em sintonia com o meu lado espiritual enquanto caminho com os pés descalços na areia. Me alegra muito poder me locomover de bicicleta e ir em diversas feiras orgânicas disponíveis na cidade. A conexão mais linda e importante que a Ilha me oferece é a simplicidade.”

Miltom Peres, terapeuta holístico

“Sou de Juiz de Fora, Minas Gerais e já viajei bastante, dentro e fora do Brasil. Ainda assim, Florianópolis é a cidade mais bonita que conheci na vida. Sua beleza natural somada ao “jeitinho” dos manezinhos de viver, falar e se relacionar com o meio ambiente é encantador! Durante os dois anos que morei lá, tive a experiência de viver muito próximo à natureza – fazendo trilhas, recebendo visitas de macacos-prego em minha casa e nadando na Lagoa da Conceição – e também crescer profissionalmente, devido ao grande número de startups que estão surgindo na cidade.”

Igor Scaldini, consultor de Marketing

“Moro em Floripa há 30 anos e sou manezinho da Ilha. Atualmente, eu vivo no bairro Saco dos Limões, área central e próxima a UFSC. No meu dia a dia não preciso percorrer grandes distâncias, então meu meio de transporte é a bicicleta. Foi a forma que encontrei para fugir de um do pontos mais críticos, que qualquer pessoa ao morar aqui enfrenta: o trânsito. 

Acompanhei muitas mudanças na cidade, e o brotar de prédios em lugares que nunca imaginei ser possível haver uma construção. Mas Floripa preserva aspectos de cidade do interior. No meio do trânsito agitado, ainda encontro carros de boi. Áreas grandes e muito bem localizadas a pouco tempo eram pasto e roça. E existem locais como o Sertão do Ribeirão que parece ser uma cidade do campo.

O que me encanta em Floripa é a variedade de natureza perto de casa. Como sou um bom amante de trilhas, consigo desfrutar muito bem disso, ao caminhar pela Lagoinha do Leste, Naufragados, Gravatá. Essa mistura de cidade e natureza, poder me deslocar de bicicleta e fazer trekking sem precisar sair da cidade é uma combinação rara e especial. Gosto muito de ser natural de Floripa e de poder desfrutar da minha vida aqui.”

André Mattos, design de produto

“Acreditem os céticos ou não, sou apenas mais um que acredita ter sido convocado a vir morar na Ilha. Florianópolis é o lugar perfeito para transformações, tudo depende, claro, do grau de nobreza da busca. No meu caso, morar aqui provocou mudanças profundas na minha visão de mundo e me permitiu a auto compreensão.” 

Ricardo Böttker, garçom

Como escolher o seu bairro em Florianópolis?

Florianópolis tem muitas opções de moradia, tanto para quem tem uma rotina muito agitada e focada no trabalho, quanto para quem aprecia uma vida mais tranquila, com uma janela com vista pro mar.

Nós, da Unil Imóveis, fizemos um guia detalhado sobre como é morar nos principais bairros em Florianópolis. 

Escolha um bairro e clique no link para saber mais.

Unil Imóveis